segunda-feira, maio 28, 2007

Crença













Acrílico sobre tela
Torquato da Luz, 2004
Passeia a sua solidão,
alheio ao que não sabe
nem sente falta de saber.
O seu campo de visão
limita-se ao que cabe
entre o deve e o haver.

Só que, sobre o que se vê,
importa o que se crê.

9 Comments:

Blogger FT said...

Muito bom, como sempre, aliás. Gostei especialmente e não resisto a divulgá-lo.

4:26 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Um abraço, caro Filipe.

5:25 da tarde  
Blogger LB said...

Actualíssimo!

Um abraço

10:56 da tarde  
Blogger marta said...

Como no quadro, o que há mais é o que não se sabe.

beijinho Torquato da Luz

11:51 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Sempre atentos, Luís e Marta.
Abraços.

9:55 da manhã  
Blogger Fatyly said...

Nunca fui crítica de poesia nem tenho cursos e muito menos com as famosas "peneiras" (como conheço alguns)para tal.
Gosto imenso de poesia e comento apenas no que a mesma me transmite, porque podem gostar muito e eu não o vice-versa!

Faço muitas vezes o que o meu professor de português e literatura nos ensinou para suportarmos a saturação angustiante dos estudos da época. Talvez por isso, actualmente leio novos poetas como tu e não consigo reler Camões, Pessoa e outros.

Posto isto este teu poema sustimou-me dois sentimentos:

1º- A visão sentida sobre tudo e todos que prolifera em muitos seres que giram apenas em volta do seu umbigo como se fossem donos do mundo num egocentrismo absurdo.

2º- e aqui entra o ensinamento do meu prof. para chegarmos mais ao âmago do poema, inverter e ler de seguida:

"importa o que se crê.
Só que, sobre o que se vê,
entre o deve e o haver.
limita-se ao que cabe
O seu campo de visão
nem sente falta de saber.
alheio ao que não sabe
Passeia a sua solidão,"

Num acreditar absurdo de que tudo sabemos...afinal não passamos de meros seres solitários, cegos e analfabetos (a todos os níveis), batendo num muro de lamentações as esperanças que por si só morreram há muito!

Num balançar pendo mais para o segundo:):):)

A tela o tal muro... e...e...queria mais brilho!!!!

Desculpa a confusão que criei, mas digo o que sinto!

ADOREIIIIIII o poema:):)

Um grande abraço bem sincero!

11:06 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Obrigado pela tua sábia reflexão, cara Fatyly.
Um beijinho também.

9:08 da manhã  
Blogger Vieira Calado said...

E é bem isso, meu caro. Somos aquilo em que cremos.
Bom fim de semana.

12:34 da manhã  
Blogger Torquato da Luz said...

Bom fim de semana também para si, caro Vieira Calado.

1:20 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home