quinta-feira, maio 03, 2007

Cansaço














Acrílico sobre tela
Torquato da Luz, 2002
Uma chama, um fogo lento
que nos devora por dentro.
Grito preso na garganta
que de súbito se solta.
A permanente revolta
contra tanta coisa, tanta
que só traz dor e desgraça.
Um desejo de partida
para outro lado, outra vida.
Um cansaço que não passa.

14 Comments:

Blogger marta said...

A raiva, um sentimento que tanto esgota.

Beijinho Torquato da Luz

4:20 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Com certeza, caríssima Marta. Beijinho também.

7:12 da tarde  
Blogger Vieira Calado said...

Aprecio muito a sua poesia e as seus belos acrílicos.
Um abraço.

12:26 da manhã  
Blogger LB said...

Mais um belíssimo poema... O que dizer se não repetir-me?

Entretanto atribuí-lhe um prémio...

Deixo um abraço

9:24 da manhã  
Blogger Torquato da Luz said...

Caro Vieira Calado:
Muito obrigado. Um abraço.

Caro Luís:
Agradeço a distinção. Se as características do "Ofício Diário" o permitissem, também não deixaria de nomear o "Outras Notas". Mais um abraço.

9:46 da manhã  
Blogger António Baeta said...

Torquato
Sinto essa raiva subir-me, tantas vezes.
Como te entendo.
Um abraço.

1:01 da tarde  
Blogger Silvia Chueire said...

Este é o cansaço que nos silencia tantas vezes...

1:14 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Eu sei, Toy, eu sei.
Outro abraço.

Isso mesmo, Sílvia.

3:08 da tarde  
Blogger Rosa dos Ventos said...

Que não passa mesmo!
Um abraço

5:58 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Um abraço também, Rosa.

8:06 da tarde  
Blogger Fatyly said...

......
....
...
beijos e obrigado por este momento!

7:16 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Retribuo os beijos, cara Fatyly.

9:22 da tarde  
Blogger Susana Barbosa said...

«Que por instantes
passe hoje o cansaço,
e seja como dantes
no teu regaço.»

Beijinhos, Torquato

VIVAM AS MÃES!

2:15 da manhã  
Blogger Torquato da Luz said...

Viva, Susana!

10:10 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home